tu debaixo da terra, eu em cima

O que devia ter sido foi, mas nada soubemos disso e jamais saberemos. Dos tremores de terra soubemos, e podemos dizer jactância que nos orgulhamos de havê-los pressentido. Para além destes jogos telúricos, mas majestosas trajectórias dos nossos destinos estiveram sempre escondidas. Surgiram sem razão em dois corações, no deserto, no limite do mar inacessível, estenderam-se em linhas magníficas, poliram-se, desapareceram. E o espelho das ondas voltou a mergulhar na solidão e no osso. Tu debaixo da terra, eu em cima, lutamos esta noite contra a mesma morte, a nossa e a do mundo.


Ernesto Sampaio
Fernanda

Sem comentários:

Enviar um comentário