a terra que era minha

Apenas para reencontrar Sofia Kühn,
amante de treze anos, Novalis acreditou noutro mundo;
mas eu creio em sóis, neves, árvores,
na borboleta branca sobre uma rosa vermelha,
na erva que ondula e no dia que morre,
porque só aqui num dom fugaz posso abraçar-te,
finalmente como um deus me criar nas tuas pupilas
porque te perco, com a terra que era minha.


Jorge Gaitán Durán

Sem comentários:

Enviar um comentário