Todas as noites tinham de lavar-se os ferimentos do Olek e mudar-lhe os pensos, e o Frederico, devido aos seus conhecimentos de medicina, é que se encarregava de fazê-lo - com a ajuda do Karol. A Hénia agarrava no candeeiro. Era uma intervenção tão significativa como comprometedora, pois todos os três se inclinavam à volta dele cada qual a agarrar uma coisa que justificava essa inclinada postura, o Frederico no algodão hidrófilo, o Karol numa bacia e num frasco de álcool, a Hénia no candeeiro; mas essa inclinação a três, por cima da coxa ferida, de qualquer forma escapava aos objectos que tinham na mão, transformava-se numa pura, numa gratuita inclinação.


Witold Gombrowicz
a pornografia

Sem comentários:

Enviar um comentário