basta

Viver não basta queremos sonhar
em jardins encantados florestas com árvores
que transformam serras mecânicas em rosas e pão

Andar não basta queremos pairar
sobre ruas em que tanques e porta-aviões
se desfazem em leite e mel

Comer não basta queremos beijar
gente bela basta que
seja gente.


Ulla Hahn
a sede entre os limites

Sem comentários:

Enviar um comentário