(bonus track)

escrevo menos mas ainda assim atiro-me para o centro
qual holograma intermitente
e a porta é madeira que se consome contra a noite.

muito nua transporto lenha, tomo banho
passo a lâmina do machado.

porque agora atravesso a realidade
como um animal sem sangue.

e aqui perto mais o garrote
e tiro sangue enquanto digo coisas do Raul Brandão.
catalogo os frascos, dou-lhes direcção.

escreve-me agora uma carta antiga
que a minha alma saiba ser a morada.


Sandra Andrade
doppelgänger

Sem comentários:

Enviar um comentário